Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2010

Post atrasados....

Depois de uma semana com acesso limitado à internet, aí vão uns links relevantes:
- O mapa da escravidão nos EUA. (Obrigado, Urban Demographics);
- Pelé e Ronaldo: Shikida divulga o nosso paper sobre as alturas dos brasileiros no Correio Braziliense;
- Google ngram: a inflação versus desemprego nos livros;
- Sensacional: "O" Anônimo mostra que não há nada de novo nem na mídia internacional;
- Ótimo gráfico sobre a relação entre metas de inflação e a reação à crise.

Surpresas Etíopes

- A biblioteca da Universidade de Adis Abeba abre aos domingos (Quantas fazem o mesmo no Brasil?);
- A caixa do supermercado fala inglês;
- Os prédios da rede de tv são protegidos como se fossem se uma instalação militar;*
- Menos mendigos e turistas do que eu esperava;
- As mulheres trabalham na construção civil.
- Desconfio que o blogger sofra algum tipo de bloqueio aqui . Outros sites funcionam bem, mas não consigo ler nenhum  e para postar tenho que usar o firefox e não o  chrome (?!?!). Não sei a razão.

Ah, vou explicar melhor o post anterior. Eu sei que a situação nas outras regiões do país é bem pior, mas a parte central de Addis Abeba parece a periferia de uma metrópole do nordeste brasileiro. Infraestrutura péssima, sem sinalização, calçamento caótico, mas muita gente na rua e em atividade. Claro, só em serviços de baixa produtividade, mas não parece um lugar deprimido.

* Isso me levou a  nova lei social: "a estabilidade política de um país é inversamente propo…

ANPEC e SBE 2010

Estão rolando. Eu não vou, mas tem muita coisa legal. Dentre estes, aquele que eu teria mais interesse de assistir é:
Rocha, Rudi (PUC-Rio); Ferraz, Claudio (PUC-Rio) e Soares, Rodrigo (PUC-Rio) "Settlement Colonies Across Plantation Fields: Evidence on the Relationship Between Human Capital and Long Term Development"
É um artigo na mesma direção do que o Irineu e eu fizemos.
Bom encontro a todos os amigos que lá estarão! Mandem notícias!

Convergência?

Em resposta a um comentarista, aí vão dois gráficos rápidos.
1) A evolução do PIB per capita regional em desvios da média nacional. Nota: sem o DF, o CO fica abaixo da média nacional.





2) O Índice de Theil para os pib/capita dos estados brasileiros (excluindo o DF):

São Paulo cresce mais do que a média, mas perde participação no PIB nacional

É, a notícia é essa mesmo. Ué? Como pode? O negócio é o seguinte: as taxas de crescimento são calculadas a partir das variações dos índices de volume entre 2007 e 2008, enquanto a participação do estado no PIB nacional considera os preços de 2008. Se os preços dos bens em que a economia paulista é especializada crescem mais lentamente que os demais, é bem possível que aconteça o fenômeno descrito no título do post.Agradeço ao meu colega Miguel Matteo pela explicação. (Antes de ir para o IPEA, ele era o cara que fechava o PIB de SP pela fundação SEADE. Sabe tudo do negócio.)

José Roberto Afonso

Ele é um autor indispensável sobre federalismo e finanças públicas no Brasil. (Basta lembrar que é um dos pais da Lei de Responsabilidade Fiscal). Mas eu aprendi faz só uns 6 meses que ele produz um excelente informativo distribuído por e-mail. (Nem sei porque demorei tanto para blogar sobre isso...) Vá lá no site e assine logo!

Diversos

Ah, quem dera ser um blogueiro tão produtivo como o DeLong, o Tyler Cowen ou o Shikida...
Como não sou, aí vão alguns links interessantes que esbarrei ou me enviaram:
- Escravidão e desigualdade, a busca pelo mecanismo causal;
- R é o software que você precisa. Agora é a Forbes quem diz (Obrigado, Urban Demographics);
- V Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional (Obrigado, Pedro Fonseca);
- Os amigos da PUC-RS pedem para divulgar que as inscrições para o mestrado estão abertas;
- Republic of Letters. Por favor, clique no link. É sensacional... (Esqueci quem foi que me avisou...).

Autopromoção Deslavada

Eles estão falando do livro que contém , entre outras coisas bem legais, o artigo que Shikida, Nogueról e eu fizemos.

Dinamica EGO

Obrigado ao Eustáquio Reis pela dica.
Dinamica EGO 1.6 já está disponível.

É com satisfação que comunicamos o lançamento da versão 1.6 de Dinamica EGO (Ambiente para Objetos de Geoprocessamento).

A plataforma de modelagem de Dinamica EGO apresenta excelentes possibilidades para o desenho de modelos espaciais, desde modelos analíticos aos extremamente complexos e dinâmicos, os quais podem envolver iterações aninhadas, retro-alimentações dinâmicas, abordagem de muit-escalas e multi-regiões, manipulação e combinação algébrica de dados em vários formatos, tais como mapas, tabelas, matrizes e constantes -, processos de decisão para bifurcar e juntar fluxos de execução, mais uma série de algoritmos complexos para análise e simulação de fenômenos de natureza espaço-temporal.

Os operadores do Dinamica EGO, chamados functores, são seqüenciados na forma de um gráfico para se estabelecer um fluxo de dados. Através da interface gráfica, modelos são criados simplesmente arrastando e conectando os fun…

Pluviosidade e Democracia

O Stephen Haber, que sabe tudo sobre o Brasil, escreveu com Victor Menaldo "'Rainfall and Democracy" em que afirmam que níveis moderados de chuva determinaram o surgimento e persistência das democracias.Eu gosto desse tipo de paper, mas fico pensando se, na verdade, o que os estudos fazem é escolher a melhor variável que pega o efeito " Europa". Algo análogo com o que aconteceu na literatura da década de 90 de crescimento econômico. No fim das contas, era atribuída causalidade à variável que melhor pegasse o efeito "África Subsahariana".

A estranha cartinha do Theotônio dos Santos

Está rolando por aí uma carta que dizem ser do Theotônio dos Santos. Ele teria afirmado:
" A partir de 1994, TODAS AS ECONOMIAS DO MUNDO APRESENTARAM UMA QUEDA DA INFLAÇÃO PARA MENOS DE 10%. "Depois de um exaustivo esforço meu de 5 minutos , eu cheguei a seguinte tabela (via Gapminder). Em vermelho estão os anos em que a inflação anual foi maior do que 10%. E pensar que esse senhor já publicou na American Economic Review... Lastimável. Resta a esperança de que a carta seja apócrifa.
Tínhamos que imitar o Tim Harford. Durante as últimas eleições britânicas, o pessoal do More or Less tinha um espaço diário na BBC Radio 4 só para detonar as estatísticas furadas usadas nas campanhas.
Atualização: a carta é verdadeira.

Loteria das Commodities, versão sec. XXI

O conceito de loteria das commodities é bem conhecido para quem estuda a história da América Latina. A idéia é que os destinos dos países dependeram muito das características do produto natural exportado: elasticidade-renda e preço, possibilidade de encadeamentos e competição mundial...Exportar bananas ou borracha é bem diferente de café ou carne.
Bem, agora o argumento da sorte volta com o grande "New Economic Geographer" Gordon Hanson (via MR) em Why isn't Mexico Rich? O azar do México teria sido que ele se especializou em bens similares aos da China. Ele escreve:
China’s size, high rate of growth, and increasing outward orientation mean that its emergence is surely changing international prices, improving the terms of trade for countries that produce its importables and deteriorating the terms of trade for countries that produce its exportables. Mexico fits squarely in the latter camp, whereas Argentina, Brazil, Chile, Colombia, and Peru fit in the former.

XKCD brilhante como sempre

Fonte.
O Luis Fernando Verissimo já sugeriu a "voodoopuntura". Ninguém precisaria ir ao acupunturista. Ele colocaria as agulhas em um boneco de voodoo seu e pronto! Além disso, eu acrescento que a voodoopuntura poderia ser outsourced para o Haiti e China. Todos ganhariam!

Crescimento econônomico recente no Brasil e no Mundo

Cansado do blá-blá-blá eleitoral, resolvi olhar os dados do crescimento recente do PIB brasileiro e do mundial. Vejam só (em taxas a.a.):

FHCLula (até 2008)Brasil2.4%3.8%Mundo3.5%4.6%Enfim, o Brasil cresceu menos que o mundo durante os dois períodos (como era de se esperar, diga-se de passagem). É curioso como- nos anos que nos são próximos - todos discutem o papel dos políticos em cada décimo percentual de variação do crescimento do PIB. Parece que tudo é o resultado de suas escolhas livres e estas são exógenas. Já no longo prazo, toda a lenga lenga é esquecida e os determinantes profundos do crescimento tomam o primeiro plano. Como eu gostaria de viver no longo prazo....
(Obs: O Maddison morreu e ainda não atualizaram os dados para 2009).

Dilma e Serra são iguais?

Bem, em política econômica, o mercado acha que sim. Em 2002, a mera ameaça de vitória do Lula gerou uma tremenda instabilidade. (Jorge Hargrave, meu colega de IPEA, tem um paper econométrico bem legal- não publicado, eu acho - sobre o tema). Agora, logo depois do inesperado segundo turno, o Ibovespa até teve uma leve queda, mas parece estar meio indiferente ao que rola na política.

Seleção para o Mestrado em Organizações e Mercados - UFPel

Meus amigos do PPOM avisam:Seleção para o Mestrado em Organizações e Mercados - UFPel Estão abertas, de 11 de outubro a 26 de novembro de 2010, as inscrições para o processo de seleção ao Programa de Pós-Graduação em Organizações e Mercados - Mestrado Strictu Sensu - da UFPel (PPGOM/UFPel). As inscrições podem ser feitas das 15h às 20h na Secretaria do Departamento de Economia - DECON, localizado no Colégio Gonzaga (2º andar), praça José Bonifácio, 166, Centro - Pelotas - RS. Para envio dos documentos por Correio use o seguinte endereço: Departamento de Ciências Sociais Agrárias, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, Universidade Federal de Pelotas, Caixa Postal, 354, CEP: 96010-900, Pelotas-RS.O Edital e o formulário de inscrição estão disponíveis na página do PPGOM.

Por que sou contra o trem-bala brasileiro?

Eu sou fã de trens. É o único meio de transporte em que você é tratado como adulto: você mesmo descobre a plataforma certa, carrega a sua bagagem, cuida da sua segurança, comida e diversão. Nada de balinhas, sorrisos forçados e instruções de segurança inúteis.
Mesmo assim, nunca simpatizei com o Trem-bala brasileiro. Não só a viabilidade financeira do parecia questionável, como o custo de oportunidade é colossal. Caramba, não haveria um projeto melhor para enterrar 30 bilhões de reais? Mas ainda faltava ler um estudo sério e bem feito. Meus problemas acabaram: o trabalho Trem de Alta Velocidade: caso típico de problema de gestão de investimentos de Marcos Mendes faz uma ótima análise do projeto.

O maior best-seller do mundo

Imagine se alguém consegue contratar o super Mario Vargas Llosa como escritor exclusivo da história dos 33 mineiros chilenos?!?! Até o Tiririca vai ler o livro. (Melhor ainda: contrate o Garcia Marquez para escrever uma versão alternativa. Afinal, ele tem experiência e já escreveu um ótimo livro sobre um naufrágio. E, claro, seria bacana ver os dois competindo e usando o livro para resolver antigas brigas)
PS. Alguém sugeriu fantasiar quem está na superfície da mina com máscaras do Planeta dos Macacos. Seria o maior trote da história, mas talvez um pouco de mau gosto.

PS2. Outra idéia de negócio: Big Brother Bizzaro. Pegar os 33 caras novamente e coloca-los em uma outra mina. O ganhador é aquele votado para sair primeiro. Alguém aí tem o telefone da Endemol?

Correlação e Causalidade

Os sorveteiros e a eleição

Aí vai a minha interpretação papo-de-boteco da eleição. Minha única ferramenta: o modelo de Hotelling (1929). Suponha que os consumidores estão distribuídos ao longo de uma praia e existem dois sorveteiros, cada um em um dos extremos. Aquele que está à esquerda anda um pouco para a direita porque assim ganha consumidores nessa direção e não perde nenhum dos eleitores, digo consumidores, à esquerda. O mesmo acontece com o que iniciou na ponta direita. A situação final são os dois sorveteiros-candidatos localizados bem no meio da praia. (O legal do modelo de Hotelling é que esse resultado só existe para 2 jogadores. Para três, não existe equilíbrio).

1 Turno:

- No começo, Dilma e Serra começam no meio da praia e a Marina tentou ocupar o mesmo lugar se mostrando bem parecida com os demais. Vendo que não subia nas pesquisas, ela passou para uma estratégia de mostrar que era a alternativa e totalmente distinta dos demais. (Olha o Hotelling aí!) Cresce nas pesquisas, mas não o suficiente.

2 Tu…

Tropa de Elite e Mancur Olson

O filme é meio mais ou menos. O capitão Nascimento fala demais, os clichês abundam e o roteiro tem tantas inconsistências quanto certas análises econômicas.
Em certo momento, o deputado defensor dos direitos humanos diz: "Que proteção é essa que as milícias vendem???? É proteção contra suas próprias ameaças". Ni-na-ni-na-não. O Olson me ensinou que as máfias-estado vendem proteção contra outros bandidos. A história é a seguinte: ao invés de pilharem violentemente as populações, os bandidos se estabelecem, definem seu território e passam a tributar a população em troca de segurança contra outras ameaças. Nesses momento, o líder dos bandidos passa a ser chamado de rei, faraó, comandante, presidente, essas coisas...
PS. Esqueci de dizer que os novos bordões do filme são muito bons.

"Living Standards in Latin American History: Height, Welfare, and Development, 1750-2000"

Ótima notícia! Demorou uns 4 anos e uns 8.473.427 e-mails do Shikida me cobrando a publicação, mas finalmente saiu... O livro faz parte da David Rockefeller Center Series on Latin American Studies e é distribuído pela Harvard University Press e já está venda na Amazon. Um dos artigos do livro é Growth and Inequalities of Height in Brazil, 1939-1981, o texto do antropométrico do Nogueról, do Shikida e meu (uma versão preliminar, em Português, está disponível aqui). Assim que meu exemplar chegar, eu comento os outros artigos.

"O preço de uma resposta"

Um amigo meu, professor de uma universidade federal meridional, me envia a seguinte troca de e-mails:
Prezado Prof.,

Tenho 63 anos e sou aluno do Curso de Economia, aqui em Fortaleza, Ceará.
Peço, por gentileza, resolver a questão abaixo:

"Suponha que, para uma determinada economia, durante um certo período, os investimentos tenham sido iguais a 100, que os gastos do governo tenham sido iguais a 75, que os impostos líquidos tenham sido fixados em 100 e que o consumo (C) tenha sido expresso pela função consumo C = 25 + 0,8Yd, onde Yd é a renda disponível e Y é o PIB.
a) Qual é o nível de renda de equilíbrio (Y)?
b) Qual é o valor do multiplicador dos gastos do governo (∆Y/∆G)? E o multiplicador dos impostos (∆Y/∆T)?
Suponha que os investimentos tenham caído em 40 unidades, para um nível de 60. Qual será o novo nível de renda de equilíbrio?"
Abraços,
José das Couves
63 anos e ainda cara-de-pau! Bem, mas não pára por aí. O meu amigo, debochado, respondeu:
Prezado José das Couves,
Re…

Gambetta e Primo Levi

Eu fui até a página do Diego Gambetta atrás dos seus papers sobre o pacto de mediocridade na academia italiana.
Com muita surpresa descobri que ele investigou a morte do autor de "É isto um homem", um dos meus dez livros prediletos. Ele argumenta de maneira muito convincente que a morte de Primo Levi foi acidente e não suicídio. Apesar das duas possibilidades serem trágicas, a primeira me parece mais de acordo com a sua obra.

Meus pitacos irresponsáveis sobre Cuba

Antes de tudo, tenho que avisar: estou longe de ser um especialista em Cuba. Tudo que você ler neste post pode ser besteira. Bem, só fui para lá duas vezes, com motivação bem turística: muita praia e uma pitada de curiosidade econômica. Em Havana, a patroa e eu fomos ao Restaurante La Guarida. (A reserva teve que ser feita com duas semanas de antecedência). Em um daqueles (muitos) prédios residenciais caindo aos pedaços (mesmo), uma porta do terceiro andar se abriu e nos deparamos com um um restaurante lotado comparável a qualquer um- bom - internacional. Ambiente estiloso e comida excelente. Imagino os milagres que os donos operavam para preservar a qualidade. (Infelizmente, os preços - em euros - também eram comparáveis aos bons restaurantes europeus.) Eu ia fazer um post curto e otimista sobre a Perezcastro (copyright NPTO) e escrever sobre o restaurante, como exemplo do empreendedorismo e capacidade dos cubanos. Fui procurar pelo restaurante na web e o google instant sea…

Por que a Public Choice não é mais popular no Brasil?

Eu conheço um monte de economistas ótimos, mas que quando vão analisar corrupção, aparelhamento de agências reguladores e afins, baseiam sua explicação em ideologias ou aspectos pessoais dos ocupantes dos cargos públicos. Ora, Olson, Buchanan e Tullock ensinaram justamente que essas ditas "distorções" são previstas pela teoria econômica!
Por que os economistas não aplicam a Public Choice? Eu chuto que uma parte da explicação vem do enfoque dos cursos de pós-graduação. Como não dá tempo de ensinar tudo, os caras de Public Choice acabam ficando de fora. O outro motivo é que a Public Choice tende a estar associada a uma postura militante libertária, Tea Party e meio paranóica. (A memória pode me trair, mas um dos grandes da área argumentou que o princípio de liberdade de expressão na Constituição Americana é resultado do lobby dos donos de gráfica. Pelamordedeus...). Fica parecendo que você tem que comprar o pacote completo e não - como eu considero adequado - usar os instrume…

Melissa Dell "The Persistent Effects of Peru's Minning Mita"

O inferno de uns é o céu de outros

O seminário está ótimo. O único problema de conferências em Paris é o custo de oportunidade colossal de assistir às sessões. O próximo encontro deveria ser Maringá. No domingo já estou de volta.

10th and 11th of September : 3rd International Conference Migration & Development (Paris)

O evento é promovido pela Agência Francesa de Desenvolvimento e Banco Mundial (a propósito, a minha viagem é financiada por estas instituições). Vou lá apresentar o trabalho "How Bodo became Brazilian" feito pelo Irineu de Carvalho Filho e por mim (admito que ele contribuiu bem mais do que eu). Tentarei fazer bonito porque trabalhos selecionados serão publicados em um número especial da Regional Science and Urban Economics.
Mais detalhes sobre o paper estão aqui e, em breve, circularemos uma versão mais completa. Volto já!

Outra evidência de que Tyler Cowen é um gênio

Why so much BS in the corporate world?
My speculation: People disagree in corporations, often virulently, or they would disagree if enough real debates were allowed to reach the surface. The use of broad generalities, in rhetoric, masks such potential disagreements and helps maintain corporate order and authority.Ainda sobre a vida nas organizações, este paper (via Tim Harford) mostra como as pessoas são motivadas por um cartão de agradecimentos, um aperto de mão e um título de seu cargo.
(A frase mais sábia que ouvi sobre incentivos foi dita no Bar Cervantes-RJ, muitas luas atrás. O preparador de sanduíches, cansado de ouvir palavras elogiosas, disse : "Elogio aqui é dinheiro na caixinha")

"Five Unrelated but Interesting Papers"

A programação da AEA meeting é sempre supimpa. Em 2011, contudo, os organizadores criaram o melhor nome possível de sessão:
Five Unrelated but Interesting Papers (??)
Presiding: ALLEN SANDERSON (University of Chicago)
Driving Under the (Cellular) Influence
SAURABH BHARGAVA (University of Chicago)
VIKRAM SINGH PATHANIA (Cornerstone Research)
Do Public Subsidies Change Private Vehicle Selections? Evidence from the U.S. Cash for Clunkers Program
EDWARD HUANG (Harvard University)
A History of Violence: The "Culture of Honor" as a Determinant of Homicide in the U.S. South
PAULINE A. GROSJEAN (University of San Francisco)
The Lion's Share: An Experimental Analysis of Polygamy in Northern Nigeria
ALISTAIR MUNRO (National Graduate Institute for Policy Studies, Japan)
ARJAN VERSCHOOR (University of East Anglia)
MARCELA TARAZONA-GOMEZ (University of East Anglia)
CECILE JACKSON (University of East Anglia)
BEREKET KEBEDE (University of East Anglia)
White Men Can't Jump, But Would Yo…

Venables sobre a África

O continente visto por um dos maiores autores da nova geografia econômica:
"Economic geography and African development

Physical and economic geography both contribute to low levels of income in Africa. The small size of African countries and markets impedes growth through a number of mechanisms. The business environment is prone to monopoly and opportunistic behaviour. Cities are relatively small. Public goods (national and regional are undersupplied). The potential benefits of natural resources are not dispersed widely enough. Growth prospects require better use of natural resource revenues and the development of clusters of export oriented manufacturing in coastal economies."
O texto está disponível temporariamente de graça aqui.

Thisse em Brasília

A convite da DIRUR/ IPEA, o grande Jacques Thisse visita pela primeira vez o Brasil! Maravilha.

Chongqing, China (População= 32 milhões)

Economic migrants from the countryside and neighboring provinces have swelled Chongqing at a rate of between 500,000 to 1 million people every year.
Mais imagens aqui.

Palander

Todos conhecemos a tradição sueca em Economia: Wicksell, Ohlin, Hecksher e Myrdal. Impressionante para um país que tem a população do Rio Grande do Sul.
Eu fiquei ainda mais impressionado após a palestra do Philip McCann ontem. Ele revelou a importância de Tord Palander. Um monte de contribuições que eu atribuía a Hoover, Richardson ou Isard, na verdade, vêm de Palander. O problema é que seu livro clássico: Beiträge zur Standortstheorie (Contributions to Location Theory) (1935) nunca foi traduzido para o inglês.

PS. Outra esquisitice sueca: existem máquinas de rapé no lobby do hotel.

KFV reunion concert!

Acabei de assistir à reunião dos autores de The Spatial Economy: Cities, Regions, and International Trade: Fujita, Krugman e Venables. Casa lotada, o Thisse como mestre de cerimônias e parecia uma reunião de banda de rock já na meia idade para celebrar um album clássico. "Como o livro surgiu?", "Vocês ficaram ricos com o livro?", "O que fizeram desde então", "Para onde ir?"...
Bons causos, mas não houve uma grande revelação. Devo admitir que tive dificuldades com o inglês do Fujita e ele era quem mais falava. (Depois de alguns minutos descobri que "pôlo" era Paul e rroleduardo = "whole world"). De qualquer forma, foi bonita a festa, pá!

PS. O que mais me surpreendeu na Suécia até agora? Cebion no buffet do café-da-manhã do hotel. Escorbuto deve ser endêmico aqui...

"Education Performance: Was It All Determined 100 Years Ago? Evidence From São Paulo, Brazil"

de Carvalho Filho, Irineu and Colistete, Renato P. (2010): Education Performance: Was It All Determined 100 Years Ago? Evidence From São Paulo, Brazil. Unpublished.

"This paper deals with institutional persistence in long-term economic development. We investigate the historical record of education in one of the fastest growing and most unequal societies in the twentieth century – the state of São Paulo, Brazil. Based on historical data from an agricultural census and education statistics, we assess the role played by factors such as land concentration, immigration and type of economic activity in determining supply and demand of education during the early twentieth century, and to what degree these factors help explain current educational performance and income levels. We find a positive and enduring effect of the presence of foreign-born immigrants on the supply of public instruction, as well as a negative effect of land concentration. Immigrant farm-laborers established their ow…

IpeaGeo - É hoje o lançamento

Eu recomendo fortemente o IpeaGeo. O pessoal da Assessoria de Métodos Quantitativos da DIRUR preparou um baita software: além de toda econometria espacial mais tradicional, ele oferece GMM espacial, zilhões de procedimentos de cluster espacial e um monte de métodos novíssimos que eu não entendo. Enfim, ele é tão fácil de usar quanto o GeoDa e beeeeeeeem mais poderoso.
Parabéns aos über-estatísticos Alexandre Ywata e Pedro Albuquerque e a toda equipe! Com poucos recursos e muito suor eles fizeram um produto que está na fronteira do conhecimento na área.(Como estou na estrada, este post foi programado. Logo, não tenho certeza se o software já está à disposição.)
ATUALIZAÇÃO: O Shikida já avisou do link para download!

ERSA 2010

Hoje embarco para o 50o. Congresso da ERSA (European Regional Science Association). Os keynote speakers são duca: Saxenian, Strange, Krugman, Fujita, Thisse, Venables e McCann.
Vou apresentar o artigo "Regional Inequality Frontier: Brazil (1872-2000)" e, se tudo der certo, continuarei alimentando o blog por lá.

Novo número do Journal of Geographical Systems

Aqui. Destaque para:
Spatial models with spatially lagged dependent variables and incomplete data
Harry H. Kelejian and Ingmar R. Prucha

Instability in spatial error models: an application to the hypothesis of convergence in the European case
Jesús Mur, Fernando López and Ana Angulo

Specialisation changes in European regions: the role played by externalities across regions
Toni Mora and Rosina Moreno

Nash Equilibrium pelo próprio

Meu ex-aluno Otávio Damé enviou essa jóia. Segundo ele, foi seu colega de mestrado na EPGE, Pedro Olea, que pediu a definição do conceito ao próprio Nash.

Diversos

- Pode ser só cisma minha, mas se o seu paper conclui que:
"While obesity is associated with less vaginal intercourse, overweight teenage girls are at least 15% more likely to have had anal sex"
Eu acho meio de mau gosto sorrir na foto de divulgação do artigo. Sei lá, eu ao menos faria cara de tristeza com o resultado.
- Bolsa Família na Economist.
- Índice de Transparência do Governo Federal e UF's. Via José Roberto Afonso.

"O assessor que está por trás das empresas que vêm recebendo apoio do BNDES é Charles Darwin" L. Coutinho.

Estou enganado ou a afirmação não faz sentido? Ele pode ter lá seus argumentos, mas utilizar o pobre Darwin para justificar é estranho. Além disso, a idéia de "pick the winners", até onde eu sei, se refere a escolher aquelas que empresas que têm potencial e não as que já são ganhadoras.

Empregadas domésticas e a ajuda de custo

O Alex Castro insiste que a relação da classe média com os empregados domésticos é um fenômeno social relevante, representativo da sociedade e cultura brasileira . Já eu penso que a empregada residente, mal paga e semi-escrava é um anacronismo, uma instituição decadente, algo como os fuscas que ainda rodam pelas regiões mais pobres do Brasil. Ninguém mais do Brasil moderno com menos de 40 anos considera normal ter um fusca ou trazer uma pobre adolescente dos grotões para trabalhar e ser criada com a família.É assustador que a lei preveja o pagamento da passagem do empregado doméstico para o servidor público que muda de domicílio :
Para os efeitos do disposto no inciso II do art. 1o, considera-se como dependente do servidor um empregado doméstico, desde que comprovada regularmente esta condição.
A lei é de 2001. É, talvez o Alex tenha um pouco de razão.
* Para sua informação: eu tive um Fusca. Amarelo correio. 1974. O carro já era tinha 18 anos quando foi meu. O melhor carro que eu j…

O professor da Educação Infantil importa

Série "resultados econométricos que alegram a minha mulher ". Ela já estava contente com as evidências de Heckman e cia. que mostram a importância da educação infantil para o desempenho futuro da molecada. Agora surgem evidências que a qualidade professor na pré-escola tem efeito econômico considerável (US$ 320 mil em valor presente!) na vida do futuro adulto.

Tudo que você queria saber sobre "Doença Holandesa" na América Latina

O Albert melhor-aluno-do-Gerschenkron Fishlow e o Edmar Bacha produziram
Recent Commodity Price Boom and Latin American Growth: More than New Bottles for an Old Wine?. O artigo sintetiza o debate, as evidências empíricas, a história recente de países selecionados e toma posição. Fortemente recomendado!

Alguns trechos sobre o Brasil:
... the academic studies that have looked into this question failed to find evidence either for the Dutch Disease of the deindustrialization thesis (See Puga, 2007; Barros and Pereira, 2008; Jank et al., 2008; Nassif, 2008; Souza, 2009; Bonelli and Pessoa, 2010). Non-commodity-related-industries are finding harder than before to maintain their exports growing, but they have plenty of room for expansion in a rapidly growing and still well-protected domestic market.
Academics point to the obvious, beyond the immediate policy-mix issue—Brazil’s low savings rates and persistent government budget deficits. Were savings higher and deficits lower, interest rates coul…

Procuro apartamento em Brasília para alugar

Em termos ideais:
- Apartamento na Asa Sul nas 100, 200, 300 ou 400;
- No máximo na SQS terminada em 05;
- Mobiliado;
- Silencioso;
- Acessível.
Minhas estimativas sugerem que deve haver cerca de 1 apartamento com essas características disponível para um casal sem cachorros, nem filhos e não-tabagistas (não necessariamente nessa ordem).

Ão ão ão, Hayek é campeão !!!

Eu não entendo bulhufas de futebol. Quando chegou a hora de apostar no super elaborado bolão do trabalho, não tive dúvidas: fui em um site de apostas inglês (eu acho) e copiei os resultados que pagavam menos. Bem, com a vitória da Espanha eu ganhei o bolão.
Quer dizer, na verdade, foi mais uma vitória de Hayek, Robin Hanson ou "sabedoria das massas" (como queiram) . Em 2014, vou tentar outro método: a taxa de infecção pelo parasita toxoplasma gondii (encontrado nas fezes dos gatos). Ninguém vai me barrar!

Pesquisador preguiçoso: o mistério dos CTP

O Milton Friendman falava de imposto de renda negativo já na década de 1960 (Capitalismo e Liberdade). Nos anos 90, se não estou enganado, os Cash Transfer Programs (CTP) já eram apoiados pelo Banco Mundial.
A questão é: se o programa gera retornos eleitorais, por que os governos demoraram tanto em implementá-los? Será que os governos viam a "nota de 100" eleitoral no chão e não apanhavam? A explicação fácil é dizer que os CTP foram uma inovação mesmo. Ou seja, ninguém tinha visto a nota. Mas talvez haja uma outra explicação econômica. Uma resposta satisfatória teria que partir de um modelo de Public Choice, em que o objetivo do governo é se perpetuar no poder e não maximizar o bem-estar dos eleitores. Alguém se habilita?
PS: Existem uns textos com perguntas parecidas sobre privatização e nacionalização de recursos naturais.

Um semiólogo deve ser capaz de escrever um tratado sobre esse gráfico

O risco de furto de acordo com a cor do veículo.

As cores das barras representam as próprias cores dos carros! Fantástico!
O artigo está aqui.

De volta....

mas ainda devagar...

Hayek, o intervencionista

Mais de sessenta anos depois do lançamento, o "O Caminho da Servidão" de Hayek voltou ao topo da lista dos mais vendidos. É um grande livro. Bem, é uma boa hora para lembrar que o autor escreveu:
"There is no reason why, in a society which has reached the general level of wealth ours has, the first kind of security should not be guaranteed to all without endangering general freedom; that is: some minimum of food, shelter and clothing, sufficient to preserve health. Nor is there any reason why the state should not help to organize a comprehensive system of social insurance in providing for those common hazards of life against which few can make adequate provision"Pois é, o Hayek é menos austríaco do que se pensa.

A história recente da América Latina em um gráfico

A variação da desigualdade entre 2000-2006: A queda na desigualdade foi geral, mas não dá para encontrar um padrão fácil. A Venezuela chavista fez feio, mas a pobre Bolívia do Evo melhorou (tanto quanto o Chile). Ou seja, não dá para contar uma história simples. Os autores atribuem a redução da desigualdade aos avanços educacionais e aos programas de transferência de renda. (Meu chute adicional: a queda disparidade rural/urbano também deve ter sido importante.)

Markets in everything: Kaggle

Kaggle é um site novo para organizar competições por previsões. A idéia é muito boa e funciona assim: alguém faz o upload dos dados e as equipes tentam criar o modelo com melhor poder preditivo. Os temas vão do ridículo (a votação no breguérrimo Eurovision *) ao realmente útil (a evolução dos pacientes com HIV).
Dica do More or Less.

(*A propósito, a inesperada ganhadora do Eurovision 2010 foi uma música pop perfeitamente grudenta.)

ABER 2010

Tenho 25 artigos para dar parecer. O lado bom: a qualidade dos artigos melhorou muito desde o primeiro encontro. O lado ruim: a qualidade dos artigos melhorou muito desde o primeiro encontro e dá um trabalhão classificá-los.

Livros sobre o Brasil para turistas (e brasileiros)

O post do Tyler Cowen "The culture that is Brazil" me lembrou a importância de ler os relatos dos estrangeiros sobre o seu país. ("O banco fecha nos dias de jogo da solução? O que tem de errado com isso?"). Eu me amarro em ler guias sobre o Brasil e tenho uns pitacos sobre alguns: How to Be a Carioca: The Alternative Guide for the Tourist in Rio é um livro de antropologia, disfarçado de guia de viagem. Recomendo para todos: turistas, brasileiros, pesquisadores....Lonely Planet Brazil : bem ruinzinho. Tomara que melhore nas próximas edições.Culture Shock! Brazil: A Survival Guide to Customs and Etiquette: Essencial para quem quer morar no Brasil. (Comprei porque um casal alemão me disse que era muito engraçado. Não é).

Frases que você nunca lerá em um paper

(Se eu fosse sincero, eu já deveria ter escrito quase todas) Via NPTO, o ótimo blog.

Taxation, Lobbies and Welfare in an Enclave Economy: Rubber in the Brazilian Amazon 1870-1910

Conheci o Felipe Tãmega em 2006, quando ele era doutorando em história econômica e orientado pelo Colin Lewis na LSE. Um cara gente boa e muito bom mesmo. Googlando, esbarrei no texto super legal (acho que tirado da tese):
Taxation, Lobbies and Welfare in an Enclave Economy: Rubber in the Brazilian Amazon 1870-1910
Abstract
This paper uses an enclave economy (Brazilian Amazon) to show that [export] taxes can be welfare enhancing and be used as instruments to move the economy away from the immiserizing growth path. Nonetheless, the results show that the government could have raised the Brazilian Amazon's welfare with a much higher export tax, and offers political-economic reasons why it did not.O mais bacana, contudo, foi descobrir que ele está na Harvard Business School. Parabéns!!!

Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil

Leandro Narloch sintetiza parte da produção recente em História de forma acessível, muito divertida e deliberadamente polêmica. Eu ri tanto que os meus companheiros de infortúnio aeroportuário me olharam torto. As visões tradicionais sobre a Guerra do Paraguai, Santos Dumont, Aleijadinho, Prestes e o Acre levam umas boas pancadas. O capítulo sobre o samba foi o que mais me ensinou. (Você sabia que o disco em que Pixinguinha gravou "Carinhoso" foi criticado por combinar a sua música com a yankee?)
O autor força a barra só para incomodar os que foram expostos àquela tão comum combinação de maniqueísmo-xenofobia-patriotismo-e-marxismo-de-segunda-mão. Eu não curto a estratégia de puxar o pêndulo para o outro lado só para contrabalançar os exageros dos opositores. Pela minha índole, eu prefiro insistir na visão ponderada do que nas posições extremas. Mesmo assim, recomendo o livro para quem já está cansado da história tradicional.
Tomara que o autor escreva um "Guia Politicame…

Colonial Institutions, Slavery, Inequality, and Development: Evidence from São Paulo, Brazil

- Todo mundo está comentando o mais recente artigo do Summerhill. Aí vai o abstract (grifos meus):
Brazil is frequently portrayed as exhibiting persistent and structural economic inequality that is rooted in the early colonial experience, and is believed to undermine development in the long run. I construct original measures of agricultural inequality for 1905 in what is today Brazil’s largest state, using farm-level micro data for some 50,000 farms. Using these measures of inequality, along with contemporary covariates and other historical variables I assess the impact of colonial institutions, slavery, farm inequality, and political inequality on long-term development in São Paulo. The principal findings are: (1) a potentially coercive colonial institution, the aldeamento, is positively correlated with income per capita at the end of the twentieth century; (2) measures of the intensity of slavery have little if any independent impact on income in 2000; (3) farm inequality was not per…

Diversos

O encontro da Associação Brasileira de Direito e Economia;Glaeser sobre a Lei de Zipf. (Obrigado, Waldery Rodrigues Jr.)Como fechar um saco sem usar usar um grampo ou nó. (Dica da minha mãe)Which Road to the Past?: Two Views of History: Elton e Fogel juntos! É como se Keith Richards e Ian Curtis se juntassem para fazer um som. E eu nem sabia que o livro existia! Já está a caminho e vai se somar à pilha dos "a ler".

Ordália da água vermelha

A lógica das ordálias na Europa sempre me pareceu bem curiosa (e cruel). Nathan Nunn mostra que procedimento análogo era usado para produzir escravos na África
The chief of the Cassanga used the “red water ordeal” to procure slaves and their possessions. Those accused of a crime were forced to drink a poisonous red liquid. If they vomited, then they were judged to be guilty. If they did not vomit, they were deemed not guilty. However, for those that did not vomit this usually brought death by poisoning. Their possessions were then seized and their family members were sold into slavery."The Long Term Effects of Africa's Slave Trade" Quarterly Journal of Economics, Vol. 123, No. 1, February 2008, pp. 139-176.

O pesquisador preguiçoso (I)

Inauguro uma seção no blog para aqueles projetos de pesquisa que acho interessantes, mas não tenho tempo, nem disposição, nem conhecimento para executar. (Além disso, já sou suficientemente dispersivo). Quem quiser, pode pegar a idéia.* Vamos ao primeiro projeto:- Faz tempo que eu acho estranho o aumento do percentual de adolescentes grávidas no Brasil entre 1991-2000. (Não, eu não acompanhei os dados recentes). - Lendo esse texto sobre os efeitos que pequenos desequilíbrios na relação entre homens e mulheres podem gerar no comportamento das moças, pensei na hipótese: o aumento da gravidez adolescente é resultado da perda do poder de barganha das moças, decorrente das